quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Indicação nº2: Deus é Soberano - Arthur Pink

Deus é Soberano
Arthur Pink
Editora Fiel


Armando Marcos 

Hoje minha indicação é o excelente livro "Deus é Soberano", de Arthur Pink, publicação da editora Fiel (a foto é da versão recente mas o que eu li esses dias é um que foi comprado em 1984, tinha a nota fiscal dentro dele, custou 2.700 Cruzeiro, ehehe). Essa obra de Arthur Pink foi escrito na primeira metade do século XX, mas é muito atual (pois a verdade da Palavra é sempre muito atual). A seguir um resumão bem básico do livro (um resumo mais e ordem aos capítulos do Livro CONFIRA AQUI)

Pink logo de incio explica que o livro tem como meta realmente exaltar e evidenciar a doutrina esquecida da soberania de Deus em detrimento da responsabilidade humana. a intenção dele é essa mesma e de propósito, pois ele mesmo confessa que sobre o lado da responsabilidade humana muito já estava dito, e como toda verdade exagerada além de seu equilíbrio bíblico, a soberania de Deus não era valorizada e ensinada como deveria, deixando assim o paradoxo da Soberania/Responsabilidade "manco", por assim dizer


Pink estabelece a Soberania de Deus a partir dos textos bíblicos em todas as suas esferas, desde antes da criação até a matéria, as leis físicas e os homens e suas ações; ele estabelece que a soberania de Deus se estende em todos os processos humanos e os propósitos divinos; coloca explicitamente que Deus é soberano na eleição e predestinação de seu povo sem cometer injustiça, e soberano na salvação, e combate assim o universalismo e também, por outro lado, a ideia de que a evangelização é sem propósito já que Deus escolheu tais e tais pessoas. 

Nesse livro, Pink acaba com a ideia falsa do livre arbítrio, como que um ente livre da influência do pecado, e mostra como que somente a ação soberana e poderosa de Deus que pode realmente tirar o homem eleito do seu destino final. 

E Pink também combate o erro do hipercalvinismo estabelecendo como que os meios também são ordenados soberanamente por Deus e entre eles a evangelização.


Pink mostra como que o mal e o bem estão nas soberanas mãos do Senhor, e como o Senhor age em ímpio e salvos; e mesmo o mal que aflige os crentes está controlado por Deus.

No capitulo sobre a relação da soberania de Deus e a oração, Pink mostra como que a oração está nos meios destinados por Deus para cumprir seus propósitos e como que a oração, em vez de algo que deve ser usado para convencer Deus a mudar seus propósitos, deve ser usada pelo crente, como Cristo exemplificou, para que nós adoremos ao Senhor e no conformemos com toda Sua vontade que é justa e boa, pois Deus nunca erra e nunca faz algo errado e injusto. Realmente esse capítulo é um dos melhores em minha opinião sobre o assunto

Depois de Pink estabelecer a doutrina em todos esses pontos citados, ele mostra quais as reações que essa doutrina da Soberania deve nos trazer, como segurança, conforto, alívio e segurança eterna.



Enfim, esse livro realmente é um dos melhores sobre o assunto, e recomendo para todos que estão ou no começo da caminhada cristã ou mesmo aqueles que já a percorreram por algum tempo para que relembrem essa verdade gloriosa e consoladora da Soberania de Deus, que é essencial para o crente que quer crescer no conhecimento do SENHOR em TODOS seus aspectos.

domingo, 6 de outubro de 2013

Sobre o uso do termo "religião" entre os protestantes


Por ‎Armando Marcos 

O que é a religião? É Deus colocando-Se em comunicação com o homem, o Criador com a criatura, o infinito com o finito - Spurgeon 

Hoje em dia, o termo “religião” é muito mau visto e utilizado, entre incrédulos e crentes: Irei enumerar apenas algumas considerações sobre o uso do termo, e considerar o verdadeiro e legitimo uso pelos cristãos.

I. Jesus é a unica religião verdadeira no sentido pleno

Os antigos reformadores e posteriormente os protestantes costumavam distinguir em seus escritos e tratados claramente entre a "religião verdadeira" e a "religião falsa": é comum ler, por exemplo, obras de Calvino, John Wesley, George Whitefield, John Bunyan e Spurgeon, só para citar alguns de diversas épocas, e notar onde aparece claramente essa distinção. No século XVI e XVII, o papismo era sempre atacado como a religião falsa que usurpava o nome de cristianismo, e as outras religiões (normalmente os antitrinitarianos, turcos e indios) como aquelas que legitimamente estavam trilhando o caminho da falsa religião aberta. Porem, ainda assim, a ideia de "religião" não era rejeitada, principalmente depois do século XVIII com o florescimento do Iluminismo e do Ateísmo. 


Hoje em dia, porem, o termo religião é visto de forma quase sempre negativa, mas se avaliarmos corretamente, ele somente é aplicado verdadeiramente no cristianismo em Cristo. O termo "Religião", segundo o Wikipedia, significa do latim: religare, religação com o divino, só que sempre teve a ideia de forma de espiritualidade, à parte do "secular": na propria página do Wikipédia diz apos a definição:

é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e os valores morais.

No caso do cristianismo, é sim isso, mas MUITO alem disso! Pois hoje a ordem é invertida e mal vista: desde o século XIXe XX principalmente, é visto por muitos como "a busca do homem de se religar a Deus": porem, a religião verdadeira é JUSTAMENTE o contrário! A religião falsa, essa sim, tenha a ideia religiosa ou que negue essa, é a que coloca o homem depravado e morto pelo pecado num falso caminho de sozinho ou com uma força própria falsa, no caminho direto dessa "re-conexão". Porém, só Jesus é que "religa" o homem caído a Deus, só pelo caminho de Cristo, que é o próprio Cristo, que seguimos a essência da palavra religião! (João 14:6)

Voltando ao sentido histórico, a religião verdadeira é aquela única em que Cristo é o caminho, e a única que segue os preceitos de Cristo acima dos humanos: e nesse sentido, é o contrário da práxis do Catolicismo Romano, que colocou a opinião de Pais da Igreja, Concílios e da volatilidade da tradição oral como caminhos igualmente inspirados da verdadeira religião

‎II. Tiago define a verdadeira religião

Em Tiago 1:26-27 diz Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã.
A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.”

Isso tem tudo haver com a prática coerente com a religião verdadeira: demostra uma mudança de coração, o coração regenerado por Cristo pelo poder do Espírito (João3) o amor ao próximo e se afastar do que o mundo nos oferece que nos contamina (1 João 2) : lógico que não somos ainda perfeito como seremos depois, na Glória em Cristo, mas isso não exclui a teologia correta da prática da religião verdadeira, que só pode vir de um coração regenerado e posto agora sim na "religião verdadeira" de Cristo e por isso mesmo, o mostrando em atos e em ações, como o próprio Cristo verdadeiramente ensinou e exemplificou. Em suma, a declaração de Tiago não contradiz as explanações de Paulo, Pedro e Cristo mesmo, por exemplo. Porem, não é desculpa para o desleixo.

3º A religiosidade é formalista: é mesmo?

Hoje em dia, o termo religiosidade tomou a forma de algo ruim e formal: os maiores exemplos nesse sentido são os fariseus e saduceus, e depois, com os séculos, aqueles praticantes de ritos que não condizem com a realidade bíblica e com a coerência entre fé e obras (professa uma coisa e pratica outra.)

Sim, nesse sentido, sempre houve a há religiosidade, mas essa é uma falsa religiosidade: a verdadeira religiosidade tem a ver com o comprometimento da verdade e na prática de boas obras que glorifiquem a Deus em amor: não pode-se sobrepor uma sobre a outra : não podemos valorizar demais a ortodoxia que não se preocupa com a vida prática, e nem desprezar a teologia e fé baseada na revelação de Deus, a Bíblia, por sobre essa.

IV. O argumento "da falsa religião" é usado de forma descontrolada

Muitos, assim que contestados sobre alguma prática nova ou novidade religiosa e interpretativa, logo recorrem ao argumento da religiosidade como argumento de defesa e de ataque: porem, como já dito antes, ele não pode ser usado a torto e a direito, pois é contra o uso e definição do cristianismo, bem como contrária até mesmo a história clássica protestante.

V. Uma reposta a uma possível contra-apelação

Alguém pode argumentar com o fato de Paulo ter dito "Sabendo de mim desde o princípio (se o quiserem testificar), que, conforme a mais severa seita da nossa religião, vivi fariseu "(Atos 26:5)

Em relação a isso, pode-se afirmar exatamente que a religião de Paulo, a farisaica, no sentido do termo em si, era uma falsa religião, pois de acordo com vários princípios, se baseava:

a) Em falso zelo (Romanos 10:2)
b) No judaísmo caduco depois Cristo (pois em Cristo a as promessas são cumpridas e os sacrifícios expiatórios sem mais necessidade, pelo cumprimento em Cristo)
c) No apreço por obras como garantia e direito da salvação (Efésio 2:9)
d) Pela falta de amor e falta do conhecimento de Cristo e de sua salvação (no sentido espiritual e escriturístico, pois ele certamente soube da crucificação de Cristo)

Com isso, espero ter mostrado um pouco que o uso do termo religião pelos protestantes deve ser mais bem avaliado. Muito mais pode ser desenvolvido sobre esse ponto, mas no momento é uma breve explanação: não tenho a intenção de com isso afirmar o formalismo e a falsa cristandade de ninguém  Busque a Cristo, olhe para Cristo, e Ele lhe vivificará e assim você edificará sobre a pedra da verdadeira Religião, e não sobre a areia em que todas as falsas religiões estão alicerçadas.


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Indicações nº1: "O Céu na Terra", de Stephen Nichols


"O Céu na Terra", de Stephen Nichols, da Voxlitteris, braço da Hagnos, onde o autor nos mostra pelos sermões e vida de Jonathan Edwards um guia para viver na realidade do céu como peregrinos nessa terra desde já até o fim da Jornada . Excelente livro e uma grande inspirações para se viver em Cristo nesses dias!

A seguir, a Sinopse do site da editora

No céu desfrutaremos comunhão ininterrupta e perfeita com o Deus trino. Vamos nos deleitar com a glória de Deus e saborear a doçura de Cristo. Teremos comunhão perfeita com o Espírito Santo. No céu, as brigas, as reclamações e os atos de injustiça terão desaparecido. Paz, harmonia e justiça serão a norma. Amaremos a Deus completa e perfeitamente. Amaremos completa e perfeitamente até os nossos irmãos em Cristo.  Sendo assim, por que não começar agora? Não há razão para não fazer isso. Na verdade, há todas as razões do mundo para começarmos a agir assim agora. 

Neste livro o leitor encontrará uma seleção de alguns sermões que foram extraídos de uma montanha de material literário. Esses sermões inspiram e instruem. Inspiram por mostrar com muito brilho a visão contagiante que Edwards tem do céu. Instruem por nos ensinar de maneira clara e convincente a viver o período entre nossa chegada a Cristo e nossa ida para o lar celestial.

sábado, 28 de setembro de 2013

Ordenação do rev. Marcelo Lemos ao presbitério da Igreja Anglicana Reformada do Brasil

Confira no vídeo a ordenação do Rev. Marcelo Lemos como presbitero na Igreja Anglicana Reformada do Brasil. o Rev. Marcelo é o ministro responsável pela Igreja Anglicana Reformada São Paulo e dono do blog "Olhar Reformado". A Ordenação foi conforme o rito do Livro de Oração Comum de 1662


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Abertura da Galeria Cultura Cristã, confira

Essa semana fui conhecer a nova loja da Conde da Sarzedas, a "Galeria Cultura Bíblica", a maior e mais diversificada loja de livros e materias evangélicos na Conde: a loja é especializada em materias evangélicos reformados e conservadores, como PES, Fiel, Vida Nova, Anno Domini, Monergismo, etc. Está realmente muito legal, com amplos espaços e uma excelente cafeteria; eu realmente recomendo muitíssimo. 
Confira na Conde de Sarzedas, nº22, Sé, bem na entrada da rua no lado do Fórum João Mendes



Stand da Cultura Cristã

Stand da Cultura Cristã

os Presbiterianos gostam dos anglicanos, hehe

Tempo de Colheita

Anno Domini

Monergismo

PES, especializada em Lloyde Jones

box da Editora Fiel

Box da Vida Nova
Encontrei o pastor Allen Porte e a Ivonete Silva lá
a primeira compra na Galeria



Entrada com os box e a loja da Galeria ao fundo





domingo, 8 de setembro de 2013

A Verdadeira Prosperidade do Reino de Deus - Josep Rossello

Pregação do bispo Josep Rossello no culto ao Senhor do dia 8 de setembro de 2013 na Igreja Anglicana Reformada Re.Novo de Pindamonhagaba